Amazonenses criticam título de cidadã do Amazonas dado a Michelle Bolsonaro: ‘Escárnio’

A ex-primeira-dama estará em Manaus no fim de semana onde receberá a homenagem e participará de um evento do PL Mulher

Aprovado na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) no ano passado, o título de cidadã do Amazonas dado a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro gerou protesto nas redes sociais de amazonenses que não concordam com a homenagem. Ela deve vir à capital amazonense, junto com o marido o ex-presidente Jair Bolsonaro no próximo dia 04 de maio, para receber a honraria e participar de eventos pré-eleitorais do Partido Liberal (PL).

O Panorama Real conversou com cientistas políticos e representantes da sociedade amazonense sobre o tema. A maioria criticou a homenagem. O título, que deveria ter sido entregue ainda no primeiro semestre de 2023, foi deixado para 2024 estrategicamente para atrair o eleitorado para a extrema direita, segundo os especialistas.

“Os critérios da Lei que concede títulos de cidadãos são superficiais e isso acaba facilitando o uso político dessa comenda tão importante. Ela acaba sendo utilizada para agraciar membros de instituições com justificativas malabaristas para pessoas que nada fizeram pelo Estado”, destacou o cientista político Carlos Santiago.

Para o sociológo Luiz Carlos Marques também concorda que a homenagem à Michelle Bolsonaro é um desserviço ao Amazonas.

“Eu já vi escárnio com a população amazonense de vários tipos, mas esse é o cúmulo. A esposa de um cidadão, que foi conivente com a morte de milhares de pessoas impedindo a vacinação contra a covid, receber um título de cidadã do Amazonas. Isso logo no Estado que talvez tenha morrido mais pesssoas proporcionalmente, é um verdadeiro escárnio com a nossa população”.

Desde a aprovação do Projeto de Lei nº 181/2023, de autoria da deputada estadual Débora Menezes (PL), os comentários nas redes sociais são de desaprovação.

Nas ruas

O jornalista e militante de movimentos estudantis e sociais do Amazonas, Breendo Teixeira, disse que os representantes do Estado não deveriam homenagear uma pessoa (Michelle) que pertence a uma família que esqueceu da população no pior momento da história do nosso Estado: durante a pandemia da covid-19.

“Eu acredito que não é um título merecido pela Michelle. O título de cidadã amazonense deveria ser dado para pessoas que deram grandes contribuições ao nosso Estado e, sobretudo, à nossa população. O que a Michelle Bolsonaro ou qualquer membro da família Bolsonaro fez por nós? Essa é uma grande pergunta porque durante quatro anos de gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro, ele não fez nada em prol do nosso povo se não fosse um genocídio. Durante a pandemia, ele tentou fazer de Manaus um verdadeiro laboratório a céu aberto, mandando medicamentos ineficazes contra a covid e o nosso povo morrendo”.

Breendo Teixeira e a Amanda Monteiro participaram da enquente feita pelo Panorama Real (Fotos: Arquivo Pessoal)

Para a advogada Amanda Monteiro, a homenagem da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas à ex-primeira-dama reflete um equívoco profundo e uma falta de sensibilidade para com a população amazonense.

“Premiar alguém que teve escasso envolvimento com o estado e cuja contribuição para resolver os desafios locais foi praticamente nula é um insulto àqueles que sofreram diretamente com as consequências da pandemia. A conivência do casal diante das tragédias relacionadas à covid -19, que resultaram em centenas de mortes por falta de oxigênio, é ainda mais indignante. Esta homenagem, ao transformá-la em cidadã do Estado do Amazonas, parece ignorar o sofrimento das famílias enlutadas e justificar injustificáveis perdas de vidas. Os deputados responsáveis por esta decisão não apenas falharam em representar adequadamente o povo amazonense, mas também desrespeitaram sua dor e seu direito à justiça. Esta atitude é não só inaceitável, mas também imoral, merecendo o repúdio unânime da sociedade”.

Na aprovação do PL, votaram contra a homenagem à Michelle Bolsonaro apenas os deputados Sinésio Campos (PT), Adjuto Afonso(União Brasil), Carlos Bessa (PV), Alessandra Campelo (PSC) e Mayra Dias (Avante). Presente na sessão, Joana Darc (União Brasil) preferiu se abster de votar. Na ocasião, no X (antigo Twitter), várias pessoas criticaram a abstenção de Joana, e a aprovação do PL.

Motivo para homenagem

De acordo com Débora Menezes, a homenagem à Michelle Bolsonaro é o reconhecimento pelo trabalho que ela desenvolveu enquanto presidente do conselho do programa Pátria Voluntária.

A ex-primeira-dama enviou cestas básicas para famílias ribeirinhas, em situação de vulnerabilidade social, durante o período da pandemia de covid -19. Ela também teria feito a entrega de brinquedos e de equipamentos essenciais para organizações sociais. Iranduba, Boca do Acre, Eirunepé, Guajará e Ipixuna foram alguns dos municípios atendidos pelo programa.

Débora relatou que, durante o período mais caótico vivido no Estado, a então primeira-dama Michelle Bolsonaro mobilizou as embaixadas de Israel, do Reino do Bahrein e dos Emirados Árabes, por meio do programa Pátria Voluntária, com a doação de cestas básicas, equivalentes a 30 toneladas de alimentos, que foram distribuídas para mais de 14 mil pessoas, de comunidades ribeirinhas de Manaus. A ação realizada em fevereiro de 2021, contou com o suporte do Instituto Asas do Socorro, que liderou a entrega das doações, além de mobilizar os voluntários na capital amazonense.

Uma das doações foi feita pela Embaixada do Reino de Bahrein ao Programa Pátria Voluntária e enviada ao Amazonas (Foto:Divulgação)

O Amazonas chegou a ser destaque no Pátria Voluntária de 2020, ocupando a sétima colocação no ranking do programa. A primeira-dama do Amazonas, Taiana Lima, foi quem recebeu das mãos de Bolsonaro e Michelle a placa. O programa foi extinto no início do mandato pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva. O Tribunal de Contas da União, inclusive, encontrou irregularidades no extinto Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado.

Segundo a auditoria do TCU, o programa carecia de: 

  • Previsão constitucional e legal para o modelo utilizado na captação e gestão dos recursos privados que obtinha via doação;
  • Critérios objetivos e isonômicos para a seleção de instituições sociais beneficiárias dos recursos financeiros;
  • E publicação dos resultados das avaliações das instituições sociais no âmbito dos processos de cadastramento, credenciamento e habilitação.
Visita a Manaus

Mesmo após ser diagnosticada e internada com o vírus da Influenza, a ex-primeira-dama deve vir a Manaus no próximo fim de semana. A confirmação foi dada pelo pré-candidato a prefeito de Manaus pelo Partido Liberal (PL), o deputado Capitão Alberto Neto, nas redes sociais.

Além de receber o título de cidadão do Amazonas, ela deve participar do Encontro do ‘PL Mulher’ no Centro de Convenções Vasco Vasques. O evento vai contar com a presença do ex-presidente Jair Bolsonaro.