Autista de Manaus conquista três medalhas de ouro em Campeonato Brasileiro de Natação, em São Paulo

Jana Baydoun foi destaque em competição nacional promovida pela CBDI
Jana Baydoun começou a treinar natação em Manaus (Foto: Arquivo Pessoal)

A paratleta Jana Baydoun, 25 anos, que morou em Manaus até os 18 anos e, atualmente, reside em Maringá (PR), conquistou três medalhas de ouro no Campeonato Brasileiro de Natação CBDI, realizado, no último final de semana (15 e 16 de junho), em São Paulo. Diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista (TEA), ela venceu as disputas nos 50 e 100 metros nado livre e nos 50 metros nado de costas, competindo pela Associação Acqua Vida, do Paraná.

“Quero agradeço a Deus, agradecer, também, o meu treinador José Alípio, os demais atletas da equipe, que graças a eles, ficamos em quinta lugar na competição, agradecer minha família, o pessoal da escola e as gerentes do meu trabalho, que me liberaram para competir. Se não fossem eles todos para me dar força, eu não teria competido em São Paulo”, afirmou Jana.

Grande potencial

De acordo com o técnico paralímpico, José Alípio Garcia Gouvêa, 48 anos, apesar de ser considerada como uma “iniciante”, Jana Baydoun tem um potencial grande para crescer como uma paratleta na natação. Ele espera que, na próxima competição, Jana participe de, ao menos, cinco disputas nas piscinas, ou seja, duas a mais do que no torneio da CBDI, em São Paulo.

“A Jana pode conquistar mais competições, uma vez que ela tem melhorado os resultados e se empenhado mais. É importante que a Jana participe de mais treinamentos porque ela é uma excelente nadadora”, afirmou o técnico, ao destacar que as conquistas de Jana são um exemplo para que outras pessoas com deficiência, em especial os TEAs, possam se dedicar às praticas esportivas.

Ciente de que pode conquistar mais na natação, Jana Baydoun afirmou que “sonha” em disputar competições no exterior. “O meu sonho é participar de campeonatos de natação fora do Brasil”, revelou.

Jana Baydoun com o treinador José Alípio (Foto: Arquivo Pessoal)

Treinos no clube Rio Negro, em Manaus

De acordo com a mãe de Jana, Hanady Baydoun, 56 anos, a paratleta começou a treinar natação cedo, com 10 anos, quando elas, ainda, moravam em Manaus. Sua primeira escola foi o Atlético Rio Negro Clube, situado no Centro.

Em 2016, já com 18 anos, Jana teve que trocar de clube quando foi morar com a família em Porto Velho, no Estado de Rondônia. Há três anos, ela voltou a mudar de cidade, desta vez para Maringá, no interior do Paraná, onde manteve o amor pela natação e deu continuidade aos treinamentos na piscina, participando dos projetos da Associação Acqua Vida.

“Estou orgulhosa das conquistas dela. A Jana é uma vencedora, que consegue o que quer, apesar de ser autista”, disse Hanady.

Segundo Hanady, a paratleta Jana Baydoun já participou de várias competições paralímpicas de natação em diferentes cidades brasileiras, entre elas, Foz do Iguaçu, Londrina e São Paulo. Com as novas conquistas obtidas no campeonato da CBDI, Jana Baydoun possui, agora, 14 medalhas.

Apoio aos paratletas

Criada em 1989, a Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDI) promove a inclusão social por meio do esporte, organizando eventos nacionais e internacionais, para paratletas com deficiência intelectual e TEA (Autismo). Além da natação, a CBDI realiza competições de atletismo e futsal.