Cinco mais ricos do mundo dobram patrimônio em 3 anos enquanto 60% ficam mais pobres

Se cada um dos cinco homens mais ricos gastasse um milhão de dólares por dia, eles levariam 476 anos para esgotar toda sua fortuna combinada

Brasil de Fato – A riqueza dos cinco mais ricos do mundo dobrou desde 2020, ao mesmo tempo que 60% da população mundial –cerca de 5 bilhões– ficou mais pobre. Isso é o que aponta o relatório Desigualdade S.A., divulgado nesta segunda-feira (15/01) pela organização internacional Oxfam.

A Oxfam monitora e contabiliza há anos o aumento da discrepância social entre ricos e pobres no mundo. A entidade divulga anualmente um relatório sobre o assunto junto com o início do Fórum Mundial Econômico de Davos, na Suíça, onde lideranças políticas e empresariais de todo mundo reúnem-se para tratar desse e outros assuntos.

De acordo com a Oxfam, em 2020, os cinco mais ricos tinham juntos 405 bilhões de dólares (quase R$ 2 trilhões). Em 2023, essa fortuna conjunta chegou a 869 bilhões de dólares (cerca de R$ 4,2 trilhões).

Se cada um dos cinco homens mais ricos gastasse um milhão de dólares por dia, eles levariam 476 anos para esgotar toda sua fortuna combinada.

Segundo a Oxfam, em 10 anos, já existirá no mundo uma pessoa que concentrará sozinha 1 trilhão de dólares (cerca de R$ 4,9 trilhões). Enquanto isso, no ritmo atual, serão necessários 230 anos para acabar com a pobreza.

“Uma imensa concentração do poder das grandes empresas e monopólios em nível global está exacerbando a desigualdade em toda a economia”, alerta a Oxfam, em seu relatório.

De acordo com a organização, sete de cada dez das maiores empresas do mundo já são controladas por bilionários. Essas empresas pressionam funcionários a trabalhar cada vez mais e o Estado a cobrar cada vez menos impostos sobre suas atividades. Assim, “estão impulsionando a desigualdade e agindo a serviço da entrega de cada vez mais patrimônio a seus donos, já ricos”.

“Para acabar com a desigualdade extrema, os governos terão que redistribuir de forma radical o poder dos bilionários e das grandes empresas às pessoas comuns”, recomenda a Oxfam. “Um mundo mais igualitário é possível se os governos regularem e repensarem o setor privado.”

Caos climático

A Oxfam destaca ainda como a desigualdade contribui para as mudanças climáticas. Segundo ela, o 1% mais rico do mundo emite tanta poluição de carbono que os dois terços mais pobres da humanidade.

“Muitos dos bilionários do mundo possuem, controlam, definem e lucram financeiramente com processos que emitem gases de efeito de estufa e, portanto, são beneficiados quando as empresas procuram bloquear os avanços a uma transição rápida e justa, negam e distorcem a verdade sobre as mudanças climáticas, e destroem quem se opõe à extração de combustíveis fósseis”, informa a entidade.