Israel dá uma pausa em ataques, mas diz que não vai parar genocídio em Gaza

A guerra promovida por Israel em Gaza desencadeou uma crise humanitária

O exército israelense anunciou uma “pausa tática” na atividade militar ao longo de uma rota no sul da Faixa de Gaza para permitir a distribuição de ajuda, mas ressaltou que não haveria interrupção nos combates ao redor de Rafah, também no sul.

A pausa começou no sábado (15/06) e ocorrerá todos os dias das 8h às 19h (2h às 13h, em Brasília), horário local, até novo aviso, para permitir que caminhões se movam do ponto de passagem de Kerem Shalom, principal ponto de entrada de ajuda para o sul de Gaza, subindo pela estrada Salah al-Din em direção ao norte, segundo as forças de ocupação de Israel.

Crise humanitária

A guerra promovida por Israel em Gaza desencadeou uma crise humanitária. Um gargalo de ajuda se formou em Kerem Shalom em meio a ataques aéreos e combates em grande parte do sul de Gaza.

Israel designou uma rota de Kerem Shalom para Al Bayuk e para o Hospital Europeu, em Khan Younis, para estar aberta durante o dia apenas para o transporte de ajuda humanitária. Isso será feito em coordenação com organizações internacionais, como parte dos esforços para aumentar o volume de ajuda que chega a Gaza.

Mas, logo após anunciar a medida, as forças de ocupação de Israel disseram que “os combates em Rafah continuam”, acrescentando que “não há mudança na entrada de mercadorias na Faixa de Gaza”.

Com informações de agências internacionais