PF mira financiadores e incentivadores do 8 de janeiro em nova fase

São cumpridos 15 mandados de busca e apreensão em três estados: Goiás, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina
Os fatos investigados constituem, em tese, os crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito (Foto: Divulgação)

A Polícia Federal realiza na manhã desta quinta-feira (20/06) mais uma fase da Operação Lesa Pátria. Essa é a 28ª etapa e mira suspeitos de financiar e incentivar os atos golpistas de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e vandalizadas em Brasília.

São cumpridos 15 mandados de busca e apreensão em três estados: Goiás, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Foi determinada também a indisponibilidade de bens, ativos e valores dos investigados.

Os mandados são autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por meio do ministro Alexandre de Moraes, a pedido da PF. A Suprema Corte também autorizou 12 mandados de busca pessoal.

“Os fatos investigados constituem, em tese, os crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido”, diz a PF.

A operação da PF desta quinta-feira teve origem nas quatro frentes de investigação abertas após os ataques de 8 de janeiro. Uma delas mira os possíveis autores intelectuais, e é essa frente que apura ações do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Outra tem como objetivo mapear os financiadores e responsáveis pela logística do acampamento e transporte de bolsonaristas para Brasília. O terceiro foco da investigação PF são os vândalos. A quarta linha de apuração avança sobre autoridades omissas durante o 8 de janeiro e que facilitaram a atuação dos golpistas.