Plano pós-guerra de Netanyahu mantém ocupação e violência na Cisjordânia e na Faixa de Gaza

Israel manterá a liberdade de operações militares “sem limite de tempo” na Faixa de Gaza

Durante entrevista à imprena internacional, nesta sexta-feira (23/02), o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou o seu plano para o pós-guerra na Faixa de Gaza, que deverá ser uma área desmilitarizada.

Essa foi a primeira vez que Netanyahu falou sobre o assunto. O plano foi apresentado ao Gabinete de Guerra para aprovação. Netanyahu lembrou os objetivos a curto prazo de Israel na Faixa de Gaza: destruir a capacidade militar e a infraestrutura governamental tanto do Hamas quanto da Jihad Islâmica, libertar os reféns e impedir que Gaza volte a ser uma ameaça.

Israel manterá a liberdade de operações militares “sem limite de tempo” na Faixa de Gaza, com um perímetro de segurança na divisa e controle israelense da fronteira entre Gaza e o Egito para evitar o reaparecimento de “elementos terroristas” no enclave.

“A ‘Cerca Sul’ funcionará – em cooperação, dentro do possível, com o Egito e com a assistência dos Estados Unidos – baseando-se em medidas para prevenir o contrabando do Egito, tanto subterrâneo quanto aéreo, incluindo a passagem de Rafah”, diz o plano.

Israel afirma também que manterá o controle da segurança sobre a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, mantendo a ocupação militar e a violência nesses territórios ocupados, sendo que no enclave palestino “haverá desmilitarização completa” para manter a ordem pública.

Com informações das agências internacionais