Produtores do AM têm até o dia 30 de abril para vacinar rebanho contra febre aftosa

O rebanho bovino amazonense alcançou, no ano passado, mais de 2,4 milhões de animais

Faltam sete dias para o fim da vacinação contra a febre aftosa e o Governo do Amazonas reforça a importância de os pecuaristas vacinarem seu rebanho e realizarem a notificação obrigatória junto à Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) para tornar o estado livre de febre aftosa sem vacinação.

A última campanha de vacinação contra a febre aftosa acontece nos 49 municípios amazonenses onde a imunização do rebanho ainda é obrigatória. A vacinação segue até o dia 30 deste mês e a comunicação da vacinação pode ser feita até 15 de maio em um dos escritórios da autarquia ou por meio do atendimento remoto no telefone (92) 99238-5568.

A febre aftosa é uma doença contagiosa que causa perdas de produção, sacrifício compulsório de animais e interdição de propriedades. Por isso, o médico veterinário e diretor-presidente da Adaf, José Omena, convoca todos os produtores amazonenses a valorizarem o seu rebanho.

“Neste Dia do Boi, a Adaf conclama o produtor a zelar pela sanidade dos seus animais, aderindo à última campanha de vacinação no estado e fazendo a notificação junto aos nossos escritórios locais. Produtor, ajude o Amazonas a obter o status de livre de febre aftosa sem vacinação e a expandir para novos mercados a carne produzida aqui”, destacou.

Números

Segundo dados da Gerência de Defesa Animal (GDA), da Adaf, o rebanho bovino amazonense alcançou, no ano passado, mais de 2,4 milhões de animais, um crescimento de 11,18%, no comparativo com o mesmo período de 2022, com 2,1 milhões de cabeças. Em 2023, a produção de bovídeos (bovinos e bubalinos) atingiu a marca de 2,5 milhões de animais, sendo os bovinos quase 95% do total.

Os municípios com maior representatividade na produção bovina são Lábrea (652,2 mil), Boca do Acre (474,8 mil) e Apuí (293 mil).

Com informações da assessoria