Representantes religiosos do AM prestam apoio a padre Julio Lancellotti após repercussão de CPI

A articulação para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal de São Paulo, que tem como um dos alvos o padre Júlio Lancellotti, é alvo de críticas de representantes religiosos aqui no Amazonas.

O Panorama Real conversou com o coordenador-geral da Articulação Amazônica dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (Aratrama), Pai Alberto Jorge, que também realiza ações sociais parecidas com as desempenhadas pelo padre alvo dos parlamentares. Ele fez duras críticas ao movimento.

“A extrema-direita busca destruir paradigmas e pessoas que tenham relevância e influência social. O padre Lancellotti luta pelas pessoas em situação de rua, luta pelo direito à locomoção e abrigo para essas pessoas que convivem com o frio e a fome. Isso para eles é ser socialista, é ser de esquerda, e não um trabalho humanitário. É nosso dever moral como sacerdotes de matriz africana, que também trabalhamos pela erradicação da fome e pela segurança nutricional e alimentar, apoiar o padre”.

No Amazonas, a Igreja Católica mantém uma série de ações sociais com moradores de rua, viciados e pessoas em situação de vulnerabilidade social. De acordo com Cássia Silva, coordenadora da Pastoral em Manaus, os membros da igreja realizam ações como essa desde sempre e nunca houveram objetivos aquém ao intuito de ajudar as pessoas.

“Assim como o padre Lancellotti realiza esse trabalho em São Paulo, as igrejas em todo o mundo fazem ações com o objetivo de ajudar o próximo. Essa é a missão que Deus nos confiou e nós também fazemos isso aqui no Amazonas. O que está acontecendo com ele nos deixa realmente perplexos”.

Imagem compartilhada nas redes sociais em apoio ao padre Lancellotti (Foto: Reprodução)
Arquidiocese de São Paulo

A Arquidiocese de São Paulo informou que está acompanhando com “perplexidade” a articulação para a abertura da CPI.

“Acompanhamos com perplexidade as recentes notícias veiculadas pela imprensa sobre a possível abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que coloca em dúvida a conduta do Padre Julio Lancellotti no serviço pastoral à população em situação de rua”, diz o texto da assessoria de comunicação do órgão da Igreja Católica.

Perseguição

A ação é encabeçada pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil), que apontou o padre como um membro da esquerda por prestar apoio aos moradores de rua da região da Cracolândia.

“O padre Júlio Lancellotti não é um padre. Ele é um servo do petismo. Ele, e muitos outros, lucram politicamente com o caos instaurado na Cracolândia. A CPI que estou instaurando na Câmara Municipal de SP vai investigar toda essa Máfia da Miséria que se perpetua no poder através de ONGs esquerdistas.
A Craco Resiste, inclusive, distribui seringas e cachimbos para usuários de drogas (!!) Essas ONGs, e o padre Júlio, vão sentar no BANCO DOS RÉUS, sim!”, disse o vereador em uma publicação nas redes sociais na quarta-feira (03/01).

Após ser repudiado nas redes sociais, o vereador gravou um vídeo onde chega a chamar o padre Lancellotti de “cafetão”.

VEJA O VÍDEO

Thammy detonado

Thammy Miranda virou um dos assuntos mais comentados após o vereador de São Paulo concordar com a abertura da CPI contra o padre Júlio Lancellotti.

“Thammy Miranda assinando a CPI contra o padre @pejulio, que o defendeu anteriormente de ataques transfóbicos. O sonho do oprimido é ser o opressor, que tristeza”, lamentou uma.

“Ontem parei de seguir o Thammy… Os outros que assinaram, eu nem seguia mesmo, mas pra mim ele foi uma decepção! Essa atitude não cola com o discurso que ele prega no Insta…”, declarou outra.

Ao ser questionado, Thammy disse que foi vítima de fake news. Ele afirmou que o nome do religioso não estava no requerimento e disse que não assinaria a proposta caso soubesse que seu trabalho seria investigado.

“Em nenhum momento foi citado o nome do padre no requerimento, se tivesse jamais teria assinado porque defendo o trabalho dele. O padre está lá para ajudar as pessoas, nós estamos do mesmo lado. O que está acontecendo é uma grande fake news, o vereador (Rubinho Nunes) está fazendo campanha política em cima”, disse.

Thammy Miranda ainda elogiou o trabalho de Júlio Lancellotti, e afirmou que esperava contar com o apoio do padre nesta recuperação humanitária da região central de São Paulo.

Para Alberto Jorge, a ação de Thammy em assinar a CPI foi vergonhosa.

“Thammy quando fez a sua redesignação foi apoiado pelo próprio padre, que fez a pregação na missa em favor dele. Talvez por ignorância ou educação, essa pessoa não tenha entendido o valor e a importância da fala do padre Lancellotti a favor dele. Não teve a capacidade de olhar além dos seus próprios interesses políticos”