‘Ainda existe chance dela ser instalada’, diz vereadora Silvia Ferraro sobre CPI que mira padre Júlio Lancellotti

Depois da repercussão negativa, muitos vereadores manifestaram recuo e desistência no apoio à CPI articulada pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil)
o padre Júlio Lancellotti faz um trabalho com moradores em situação de rua em São Paulo (Foto: Agência Brasil)

Brasil de Fato – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) protocolada em dezembro do ano passado na Câmara Municipal de São Paulo para investigar atuação de organizações não governamentais (ONGs) e do padre Júlio Lancellotti, muito conhecido pelas ações sociais no centro da capital, causou indignação na sociedade civil, movimentos sociais e na população, que se manifestou contrária à iniciativa na internet.

Depois da repercussão negativa, muitos vereadores manifestaram recuo e desistência no apoio à CPI articulada pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil). Porém, a retirada de assinaturas, segundo a própria Câmara, é “simbólica”, e apenas Nunes, autor do requerimento, pode pedir a retirada da comissão.

A vereadora Silvia Ferraro, da Bancada Feminista do PSOL, contrária desde que descobriu a ideia do seu colega, demonstra preocupação com o possível avanço da comissão assim que o recesso legislativo terminar. O presidente da Casa Legislativa, Milton Leite (União Brasil), pretende colocar em pauta o assunto.

“É muito preocupante que o vereador Rubinho Nunes continue propagando nas suas redes sociais que a CPI será instalada, que o presidente da Câmara não tenha tido uma manifestação categórica contra a CPI”, disse a vereadora, em entrevista ao prograna Central do Brasil, do Brasil de Fato. “Alguns vereadores que retiraram o apoio político retiraram com a condição de que não fosse ser o foco o padre Júlio, mas que seriam a favor de uma CPI focada aí nas ONGs que fazem trabalho social com a população em situação de rua. Então, permanece o alerta, porque ainda existe, sim, infelizmente, uma chance dessa CPI ser instalada na Câmara Municipal assim que os trabalhos voltarem”, afirmou.

O cardeal dom Odilo Scherer encaminhou um ofício a Milton Leite em que solicita o envio das denúncias as quais se referiu como de extrema gravidade a respeito do padre Julio, que pertence à Pastoral do Povo de Rua paulistana.

A vereadora da Bancada Feminista do PSOL articula para que a CPI não seja levada adiante e critica Rubinho Nunes.

“Pelo Rubinho Nunes, a população em situação de rua seria tratada com Polícia e internação compulsória, no caso dos dependentes químicos. Então, ele tem todo um ódio aos pobres, ódio que é vociferado ainda nas redes sociais dele, nos vídeos que ele faz. Então, é óbvio que ele não gosta de uma figura como o padre Júlio Lancellotti, que tem amor aos empobrecidos, aos desvalidos. Isso faz com que ele queira manchar a imagem do padre Júlio e está se utilizando de artifícios, inclusive, de manipulação visual”, alerta Ferraro.

Ela ressalta que São Paulo tem o maior número de pessoas em situação de rua do país. E defende que esse fato, sim, deve ser alvo de investigação.

“Quem deve ser investigada é a própria Prefeitura de São Paulo, que, inclusive pelo próprio relatório, pela própria auditoria do Tribunal de Contas do Município, não tem aplicado recursos suficientes acompanhando a evolução da quantidade dessa população em situação de rua, que só aumentou nos últimos anos aqui na cidade. Hoje nós temos 54 mil pessoas em situação de rua, o que é o maior número do Brasil. Isso é um escândalo na cidade mais rica do país”, afirma a vereadora.

A entrevista completa, feita pela apresentadora Luana Ibelli, está disponível na edição desta quarta-feira (17/01) do Central do Brasil, no canal do Brasil de Fato no YouTube.

Intolerância Religiosa

Startup JusRacial divulga pesquisa sobre processos por racismo que tramitam na justiça do Brasil. Em 2023, foram 176 mil processos, um crescimento de 17.000% em relação a 2009, quando foi feita uma pesquisa semelhante. 33% dos processos foram por intolerância religiosa e o diretor-executivo da organização, Hédio Silva Jr., fala mais sobre os dados.

Impacto do Eucalipto

Segunda parte da série de reportagens especiais mostra como a vida de geraizeiros fica impactada pela monocultura de eucalipto. A comunidade tradicional vive no Vale das Cancelas há gerações.

O Central do Brasil é uma produção do Brasil de Fato. O programa é exibido de segunda a sexta-feira, ao vivo, sempre às 13h, pela Rede TVT e por emissoras parceiras.