Amazonas é o terceiro Estado com maior número de casos da doença de Chagas em 2023

Uma das principais formas de transmissão no Amazonas é a oral
Hoje, temos, em média, notificados cerca de 300 a 400 casos novos agudos no país (Foto: Natanael Maricaua/FVS-AM)

Brasil 61 – O Amazonas é o terceiro Estado com maior incidência da doença de Chagas no Brasil, atrás apenas do Pará e do Amapá. Segundo o Ministério da Saúde, em 2023, foram 11 infecções pela doença.

Multissistêmica, a doença de Chagas é caracterizada por uma fase aguda — que pode durar semanas ou meses —, apresentando sintomas leves ou até assintomática. Também existe a fase crônica, como explica o coordenador-geral de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial do Ministério da Saúde, Francisco Edilson Ferreira de Lima Júnior.

“Uma vez persistindo, a infecção vai desenvolver uma forma aguda, que pode ser subclínica ou manifestar sinais — como febre. Depois disso, [a infecção] entra numa forma que chamamos de ‘indeterminada’, que não consegue ser identificada — não tem sintomas clássicos. E, após algum tempo, que pode durar anos, pode desenvolver a forma crônica. E essa é uma forma que pode ser tanto cardíaca — que afeta o coração — como digestiva, podendo afetar o esôfago e o intestino. Se a pessoa tratar, tanto na fase aguda como na forma indeterminada, ela pode sim eliminar o Trypanossoma cruzi e não desenvolver essa forma crônica”.

Transmissão no Amazonas

Uma das principais formas de transmissão no Amazonas é a oral, no consumo de alimentos contaminados por barbeiro com o Trypanosoma cruzi — devido à falta de higiene e de cuidados no momento do processamento. Um problema comum, como explica Francisco Edilson Ferreira de Lima Júnior.

“Hoje, temos, em média, notificados cerca de 300 a 400 casos novos agudos no país [por ano]. E imaginamos que pode haver uma subestimativa desse valor por haver alguns pacientes que não diagnosticam e, principalmente, pela forma de transmissão oral — que é ingerindo alimentos que contenham o Trypanosoma cruzi vindo do barbeiro. Ou seja, ou o barbeiro foi triturado junto com o alimento ou que tinha fezes do barbeiro naquele alimento que não foi bem higienizado. Então a contaminação acontece pela forma oral, especialmente na região Norte”.

A pensionista Delma Maria Santos, de 66 anos, tinha o hábito de consumir açaí natural e caldo de cana, sem se preocupar com a procedência desses alimentos. A moradora de Manaus (AM) suspeita que foi desta forma que contraiu Chagas. Ela relata que a forma aguda da doença de Chagas não se manifestou, tampouco teve sintomas. Só descobriu anos mais tarde, durante um exame de rotina. Logo após o diagnóstico, começou o tratamento.

“Tomei o medicamento por 60 dias — um comprimido. Quando terminei, voltei novamente com a doutora e pronto: estava curada e não tomei mais o medicamento. Mas, até hoje, faço acompanhamento, com três exames do coração todo ano. E está tudo bem”, conta a pensionista. 

No caso da transmissão oral, a principal forma de prevenção é a boa higienização dos alimentos, como orienta Francisco Edilson Ferreira de Lima Júnior.

“Pois, em geral, isso acontece quando o barbeiro é moído junto com o fruto ou com algo [outro alimento] e a pessoa não viu. Como se trata de um inseto relativamente grande [para identificar] e que se o alimento for bem higienizado, eliminamos grande probabilidade disso [contaminação do alimento] ocorrer”.

Além da transmissão oral, há também a vetorial, pela picada do barbeiro infectado, permitindo a entrada do parasita Trypanosoma cruzi na corrente sanguínea. Há uma terceira forma de transmissão, a vertical, quando a gestante infectada por Trypanosoma cruzi pode passar para o bebê durante a gestação ou no parto.

Para evitar que o barbeiro entre em casa e forme colônias, o Ministério da Saúde recomenda o uso de mosquiteiros ou telas metálicas em janelas e a aplicação de inseticidas residuais realizada por equipe técnica habilitada. Também preconiza o uso de repelentes, roupas de mangas longas, durante atividades noturnas em áreas de mata.

Tratamento no Amazonas

No Amazonas, o atendimento referência para doenças tropicais — que inclui a doença de Chagas — é feito na Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), em Manaus. Mas toda a atenção primária — que inclui Unidades Básicas de Saúde — presente nos municípios brasileiros, está preparada para diagnosticar e tratar a doença. 

O tratamento para as fases aguda e indeterminada da doença dura cerca de 60 dias, feito com Benzimidazol em comprimidos, produzido por um laboratório público brasileiro — fornecido exclusivamente pelo SUS. Segundo Francisco Edilson de Lima Júnior, coordenador-geral de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial do Ministério da Saúde, quanto antes o paciente começa a se tratar, maiores as chances de sucesso.

“O tratamento tem maior eficácia quanto antes for feito. Na forma aguda, tem uma alta eficácia e, também, na forma indeterminada. Na forma crônica, dependendo do estágio que a doença tiver, o tratamento já não vai ter tanto efeito. Os tratamentos para a forma crônica são muito mais úteis para os sintomas”, explica o gestor.

A doença de Chagas é a infecção parasitária que mais mata no Brasil. Autoridades de saúde estimam que a doença atinge de um a três milhões de brasileiros atualmente. Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, publicado em abril deste ano, sobre notificações da doença de Chagas, mostra que entre janeiro de 2023 e janeiro de 2024, foram registrados 5,4 mil casos de doença de Chagas, distribuídos em 710 municípios.