Após brigas, Alberto Neto e coronel Menezes selam paz e compõem chapa pura sangue à Prefeitura de Manaus

De acordo com Menezes, a união dele com Alberto Neto é um desejo do próprio Bolsonaro

Após diversos atritos por poder dentro do Partido Liberal (PL), o capitão Alberto Neto e o coronel Menezes selaram a paz esta semana e confirmaram, nesta quinta-feira (11/01), que devem compor juntos uma chapa puro sangue para disputar as eleições para a Prefeitura de Manaus.

Menezes, após perder o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro, aceitou ser vice de Alberto Neto. Ambos usaram as redes sociais para compartilhar notícias jornalísticas que apontam a reaproximação. Em entrevista, o capitão disse que foi ele quem procurou o coronel para “fazer as pazes” em benefício da direita no Amazonas.

“Eu comecei ontem um diálogo com o coronel Menezes e a conversa andou bastante. Até com a possibilidade do PL vir com chapa pura e o coronel Menezes ser meu vice”, declarou.

Vale lembrar que Menezes chegou a ser expulso do partido após ter chamado Alberto Neto, que é presidente do diretório municipal do PL, de “Judas”, em junho do ano passado.

Desejo de Bolsonaro

De acordo com o coronel Menezes, a união dele com Alberto Neto é um desejo do próprio Bolsonaro, que é seu compadre.

“Estou disposto a promover a pacificação do partido em Manaus. Precisamos unir para somar, esse é o desejo do presidente Bolsonaro. Manaus é uma capital que tem importância estratégica para todos os nossos projetos de futuro. Precisamos fazer da nossa capital uma referência no Brasil e recolocá-la nos eixos, dar um choque de gestão, aliás, algo que não tem há muito tempo. Temos um pintor e não um gestor“, disse ele em entrevista.

Justiça decidiu

Na última segunda-feira (08/01), o desembargador João Simões, por meio da Terceira Câmara Civil, negou o agravo de instrumento interposto pela Comissão Executiva Municipal do Partido Liberal (PL), mantendo coronel Alfredo Menezes na sigla.

Coronel Menezes ingressou com uma ação na Justiça do Amazonas após o Conselho de Ética formado pela Comissão Executiva Municipal do PL Manaus decidir pela sua expulsão do partido. Esta é a segunda decisão judicial a seu favor após contestar a decisão da Comissão Municipal do partido.