Corte Internacional de Justiça ordena que Israel interrompa operações em Rafah

Apesar da decisão, as forças israelenses intensificaram os ataques militares em Gaza
A decisão da Corte da ONU é obrigatória, mas o tribunal não dispõe de força policial para garantir que Israel vai cumpri-la (Foto: Reprodução)

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), também conhecida como Tribunal Mundial, ordenou nesta sexta-feira (24/05) que Israel interrompa todas as operações militares em Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Os juízes também determinaram que o governo israelense deve permitir a entrada de ajuda humanitária pela fronteira entre o sul de Gaza e o Egito.

A sentença da Corte foi proferida diante de um pedido de emergência apresentado pelo governo da África do Sul, ao tribunal, sediado em Haia, na Holanda. O governo sul-africano acusa as forças israelenses de genocídio, o que Israel nega e alega legítima defesa.

A decisão é para garantir o acesso de observadores externos para monitorar a situação e reportar à corte, em um mês, sobre as medidas adotadas.

Já o governo israelense disse que alegações apresentadas na Corte são “falsas, ultrajantes e nojentas” e que a campanha militar “não vai levar à destruição da população palestina civil em Rafah”. Israel disse que continuará sua operação em Rafah “respeitando o direito internacional”.

Apesar da decisão, as forças israelenses intensificaram os ataques militares em Gaza nesta sexta-feira. Aviões bombardeando alvos na cidade de Rafah e fortes combates também foram relatados em Jabalia, no norte.

A decisão da Corte da ONU é obrigatória, mas o tribunal não dispõe de força policial para garantir que Israel vai cumpri-la.