Festival de Cinema Pan-Amazônico abre inscrições para mostra competitiva

Décima edição do AMAZÔNIA (FI)DOC anuncia convocatória internacional para filmes de ficção e documentários
O festival é um marco simbólico que revela toda a potência da cinematografia amazônida (Foto: Divulgação)

Estão abertas até o dia 10 de setembro as inscrições de filmes de ficção e documentários para a mostra competitiva da 10ª edição do AMAZÔNIA (FI)DOC – Festival Pan-Amazônico de Cinema. O edital de convocatória e a ficha de inscrição podem ser encontrados no site do festival (amazoniadoc.com.br) e na plataforma Filmfreeway. O festival será de 18 a 27 de novembro.

A chamada para as inscrições de filmes e documentários foi anunciada em Belém, em evento no Cine Líbero Luxardo, do Centur. Além da curadoria seletiva, o 10º AMAZÔNIA FI(DOC), O Festival Pan-Amazonico de Cinema agrega outros dois festivais: o Festival “As Amazonas do Cinema ” e o Festival Curta Escolas que incentiva e premia com troféus os jovens cineastas de escolas públicas e comunidades periféricas. Este ano, pela segunda vez, o Curta Escolas será realizado em agosto numa Itinerância por 3 municípios do Marajó.

Zienhe disse que os quatro meses de convocatória para inscrições permitem a ampliação do alcance do festival nos países pan-amazônicos. “Queremos expandir nossa rede, nosso intercâmbio com as cinematografias das diversas Amazônias”, afirmou Zienhe Castro, idealizadora, diretora geral, produtora executiva e curadora do festival.

“Este é o edital de convocatória internacional, para as inscrições de filmes de ficção e documentários nos formatos de curtas, médias e longas-metragens, produzidos nos oito países pan-amazônicos (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela) e na Guiana Francesa, a partir de 1º de janeiro de 2022”, informou a cineasta

O lançamento do 10º AMAZÔNIA FI(DOC) teve a exibição do filme “A invenção do outro”, longa documentário do cineasta pernambucano Bruno Jorge. O filme narra a última expedição do indigenista Bruno Pereira na Amazônia, em 2019. Em 2022, Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Philips foram assassinados durante viagem pelo Vale do Javari, no extremo oeste do Amazonas. O cineasta Bruno Jorge participou de um bate-papo com o público sobre a produção e a viagem.

Segundo Zienhe Castro, o festival nasceu em 2009 para debater as diversas Amazônias por meio da cinematografia produzida nesse imenso território. “Naquele ano, já tínhamos urgências, muito a fazer, muito para debater, muito pra trocar. Essas urgências permanecem. E precisamos avançar em muitas outras questões”, afirmou.

Para Zienhe, o festival é um marco simbólico que revela toda a potência da cinematografia amazônida. Ela agradeceu aos parceiros do projeto, financiado pela Lei Paulo Gustavo (mostras e festivais) e Lei Rouanet (patrocínio oficial do Instituto Cultural Vale).

Felipe Pamplona, diretor artístico e coordenador de programação, destacou duas iniciativas inéditas do AMAZÔNIA (FI)DOC: a homenagem à cultura e à filmografia de um país da região pan-amazônica, a Colômbia, e um laboratório de aperfeiçoamento de projetos de longa-metragem e série. “O formato de Lab consiste em um acompanhamento profissional aos realizadores para que o projeto ganhe consistência técnica e poética”, destacou.

Nessa décima edição, o festival vai oferecer premiação em dinheiro aos vencedores, informou Felipe Pamplona. Além disso, há o troféu principal do festival que foi criado em 2009 e é assinado pelo artista visual/ceramista Ronaldo Guedes. Neste ano, Neste ano, a artista visual Lise Lobato, assinará o design do Troféu da segunda edição do festival ” As Amazonas do Cinema” que premia e incentiva a filmes dirigidos e roteirizados por mulheres da Pan-amazônia.

Serviço

AMAZÔNIA (FI)DOC – Festival Pan-Amazônico de Cinema.

Inscrições nos sites amazoniadoc.com.br e filmfreeway.com

Período: 24 de maio a 10 de setembro.