Mais de 100 palestinos foram mortos e feridos após serem atacados por Israel em Rafah. Há crianças decapitadas

Israel realizou mais de 60 ataques nas últimas 48 horas, violando a decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia, que determinou aos israelenses que interrompessem imediatamente as operações militares em Rafah

Apenas 48 horas após a Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia, determinar que Israel interrompesse imediatamente as operações militares em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, mais de 100 palestinos foram mortos e feridos em ataques israelenses, na noite do domingo (26/05), numa área no campo de refugiados em Tel Al-Sultan, no norte da cidade palestina.

O ataque terrorista israelense deixou crianças decapitadas, conforme imagens de vídeos divulgados pelos palestinos que moram na região. De acordo com informações dadas, nesta segunda-feira (27/05), pelo ministério da Saúde palestino, na Faixa de Gaza, 45 pessoas – incluindo 23 mulheres, crianças e idosos -, foram mortas no ataque e outras 65 ficaram feridas, até o momento.

Testemunhas afirmaram que pelo menos oito mísseis atingiram o acampamento de refugiados – que foi designado como uma zona segura –, na noite de domingo, por volta das 20h45, horário local.

A agência de notícias Wafa, citando a Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (PRCS), disse que muitos dos que morreram foram “queimados vivos” dentro de suas tendas na área de Tel Al-Sultan. Uma fotografia aérea tirada no dia 24 de maio mostra centenas de tendas na área, que ficava perto de um armazém da UNRWA, agência da ONU para os refugiados palestinos.

O ataque contra Rafah tem gerado uma ampla condenação internacional contra Israel.

Genocídio e desrespeito às leis internacionais

A nova agressão faz parte da política de extermínio e genocídio que Israel tem levado a cabo contra os palestinos na Faixa de Gaza e representa um ato de desrespeito a decisão da CIJ, que ordenou, na semana passada, que o regime israelense não atacasse Rafah, cidade que abriga 1,4 milhão de refugiados palestinos. As decisões da Corte, da qual Israel faz parte, são legalmente vinculantes.

Desde a decisão da CIJ, na última sexta-feira (24/05), Israel já realizou mais de 60 ataques em Rafah.

Com informações das agências internacionais de notícias