Ministério das Mulheres pede que morte de Julieta Hernández no AM seja reconhecida como feminicídio

Crime contra a artista venezuelana no Brasil foi denunciado pelo MP como latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte
Hernández foi morta enquanto viajava pelo Brasil de bicicleta (Foto: Arquivo Pessoal)

Brasil de Fato – O Ministério das Mulheres pediu que o assassinato da artista venezuelana Julieta Hernández seja investigado como um caso de feminicídio, em nota publicada na noite desta quarta-feira (05/06).

Hernández foi morta enquanto viajava pelo Brasil de bicicleta. Ela estava a caminho de seu país de origem quando desapareceu no dia 23 de dezembro, no município de Presidente Figueiredo, a 117 quilômetros ao norte de Manaus, no Amazonas. A próxima parada seria em Rorainópolis, Roraima.

No dia 6 de janeiro deste ano, seu corpo foi encontrado dentro de uma mata. De acordo com as investigações, a arista foi estuprada, assassinada e teve seu corpo queimado por um casal, que confessou o crime.

Em nota, o Ministério das Mulheres manifestou “apoio à ação articulada pela União Brasileira de Mulheres (UBM) e os familiares de Julieta Hernandez (…) para que o crime seja reconhecido como feminicídio”.

Em janeiro, o Ministério Público do Estado do Amazonas denunciou os acusados Thiago Angles da Silva e Deliomara dos Anjos Santos pelos crimes de estupro, latrocínio (roubo seguido de morte) e ocultação cadáver. Agora, a família de Hernández pede a mudança da tipificação dos crimes.

O Ministério também informou que irá monitorar o andamento das investigações e do julgamento. Para a pasta, “a violência contra Julieta Hernandez apresenta características de um crime misógino e xenófobo, de ódio à artista circense como mulher e como migrante”.

“O Ministério das Mulheres reconhece a preocupação dos familiares e advogados da vítima pela ausência do devido tratamento jurídico ao caso como uma grave violação de direitos humanos das mulheres e dos migrantes e reforça a crença nas instituições brasileiras para que este caso e o de todas as mulheres que recorrem à Justiça não fiquem impunes, por suas vidas e pelo direito à memória”, escreveu a pasta.

Na última segunda-feira (04/06), a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recebeu Sophia Hernández, irmã de Julieta Hernández, o advogado Carlos Nicodemos, e o representante da Embaixada da Venezuela Éfren Martin para tratar do assunto.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Sophia Hernández, considerou essencial haver a mudança da tipificação para feminicídio.

“O problema que temos agora é que o caso não está sendo considerado como feminicídio. Ela foi violada, torturada e sequer foi enterrada pelo casal. Colocaram ela a cinco metros de onde ela foi morta. Os advogados dizem de forma concreta que essas questões qualificam o crime de feminicídio”, disse.