Morte de vice-líder do Hamas pode levar guerra ao Líbano

Já o Hamas afirmou que, além de Arouri, outros seis de seus membros também morreram após a ofensiva

A morte do vice-líder do Hamas, Saleh al-Arouri, de 57 anos, em um ataque de drones na capital do Líbano na terça-feira (02/01), aumentou a tensão e elevou o risco potencial de a guerra em Gaza se espalhar na região. Ele foi o primeiro líder do Hamas a ser morto desde o início da fensiva em Gaza, há três meses.

Aliado do Hamas, o grupo Hezbollah, do Líbano, tem trocado tiros quase diários com Israel na fronteira sul do Líbano desde o início da guerra. Israel não confirmou nem negou a execução do assassinato.

“A coisa mais importante a dizer nesta noite é que estamos concentrados e continuamos focados na luta contra o Hamas”, disse, questionado por jornalista sobre o assassinato de Arouri.

Já o Hamas afirmou que, além de Arouri, outros seis de seus membros também morreram após a ofensiva, incluindo dois líderes das Brigadas al-Qassam, braço armado do grupo, Samir Findi e Azzam al-Aqraa.

Todos estavam presentes quando o drone atingiu um escritório do Hamas em Dahieh, subúrbio no sul da capital.

O primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, condenou o bombardeio à capital de seu país.

“Este crime israelense busca arrastar o Líbano para uma nova fase de confronto [com Israel]”, disse, por meio de comunicado.