Brasil reduz laços diplomáticos com Israel em resposta ao genocídio em Gaza

Lula não indicou ninguém para ocupar o cargo em Tel-Aviv e nem há previsão de quando o fará
O embaixador saiu de Israel sem avisar as autoridades locais (Foto: Divulgação)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) removeu oficialmente o embaixador brasileiro em Israel e transferiu para Genebra, na Suíça. A decisão foi publicada no diário oficial desta quarta-feira (29/05). Frederico Meyer agora será representante do Brasil na Conferência de Desarmamento da Organização das Nações Unidas (ONU).

Lula não indicou ninguém para ocupar o cargo em Tel-Aviv e nem há previsão de quando o fará. A decisão oficializa uma redução de laços diplomáticos do Brasil com Israel pelo genocídio cometido em Gaza desde o fim do ano passado. A relação entre os dois países está estremecida desde fevereiro e este é considerado o gesto diplomático mais duro do governo brasileiro em resposta aos ataques israelenses.

Em fevereiro, Frederico Meyer passou por um momento de constrangimento ao ser chamado pelo chanceler israelense, Israel Katz, ao Museu do Holocausto para ouvir queixas públicas sobre uma fala de Lula, em que o presidente comparou as ações de Israel contra Gaza às ações de Hitler contra os judeus. No local, Meyer também ouviu que o presidente brasileiro era uma “persona non grata” no país.

Meyer voltou para o Brasil ainda em fevereiro. Só retornou a Israel na semana passada, quando assinou alguns telegramas oficiais, mas não chegou a comunicar às autoridades israelenses o seu regresso. Nesse período, Lula condenou por diversas vezes os ataques à população civil da Faixa de Gaza.

Em oito meses de massacres, já são 35 mil palestinos mortos, 10 mil órfãos, 3 mil viúvas e 17 mil crianças desacompanhadas ou separadas de suas famílias.

Com informações das agências