Fepal reage a nota da ‘bancada evangélica’: ‘Qual é o medo que vocês têm da investigação de crime de genocídio na Palestina?’

Federação Árabe Palestina do Brasil classificou como “fora de propósito” nota de parlamentares evangélicos em apoio a Israel

A Federação Árabe Palestina do Brasil (Fepal) reagiu a nota emitida pelas chamadas “Frentes Parlamentares Evangélicas” no Congresso Nacional e no Senado Federal, criticando o apoio desta bancada aos crimes cometidos por Israel, acusado de aplicar políticas de Apartheid e praticar genocídio contra o povo palestino ao longo dos últimos 76 anos.

Na quinta-feira (11/01), a “bancada evangélica”, coordenada atualmente pelo deputado federal Silas Câmara (Republicanos-AM), divulgou “nota de repúdio” ao apoio dado pelo Brasil à iniciativa da África do Sul em acusar Israel de genocídio contra o povo da Palestina na Corte Internacional de Justiça (CIJ) da Organização das Nações Unidas (ONU), com sede na cidade de Haia, na Holanda.

Ualid Rabah é presidente da Fepal, entidade que representa a diáspora palestina no Brasil (Foto: Anwar Assi/Portal Panorama Real)

Durante evento realizado, na tarde de sexta-feira (12/01), na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), em Manaus, sobre a questão palestina, o presidente da Fepal, Ualid Rabah, classificou a nota dos parlamentares ditos “evangélicos” como “absolutamente fora de propósito”. Segundo ele, não poder ser considerada “evangélica e nem cristã” uma bancada parlamentar que “recusa o Evangelho” e usa de “forma farsesca” o “Deus ‘desracializado’ de Jesus Cristo” e a Bíblia para defender o extermínio em curso promovido por Israel na Palestina.

“Qual é o medo que tem, neste caso, o presidente e coordenador desta comissão, que é deste Estado, o deputado federal Silas Câmara, a quem me dirijo educadamente? Qual é o medo que vocês têm da investigação de crime de genocídio na Palestina? O que vocês temem? Vocês dizem que o Brasil deixou de ser isento. Desde quando apurar crime de genocídio faz alguém deixar de ser isento? Desde quando repudiar os crimes do nazismo faz alguém deixar de ser isento? Desde quando condenar o racismo faz alguém deixar de ser isento? Desde quando condenar o Apartheid faz alguém deixar de ser isento, deputado Silas Câmara?”, indagou Ualid Rabah.

Citação bíblica

Ainda em sua intervenção, o presidente da Fepal, entidade que representa a diáspora palestina no Brasil, citou um trecho da Bíblia, para questionar sobre o “repúdio” dos parlamentares evangélicos a ação movida pelos sul-africanos contra Israel.

“Eu quero ler uma passagem daquilo que, talvez, pessoas como o senhor acham que é verdade de Deus. Deuteronômio 20:10-17. ‘Quando vocês avançarem para atacar uma cidade’. E quem é este vocês? É isto que o senhor chama de povo de Israel. Retomando…’enviem-lhe primeiro uma proposta de paz’. Parece generoso, não é, deputado Silas Câmara?’ ‘Se os habitantes aceitarem e abrirem suas portas, serão seus escravos e se sujeitarão a trabalhos forçados’, ou seja, se aceitarem a paz, serão escravos, Deuteronômio 20:10-17, deputado Silas Câmara. E diz mais: ‘se porém, eles recusarem a paz, e entrarem em guerra de libertação, sitiem a cidade’, parece que está se falando da Faixa de Gaza, deputado Silas Câmara. ‘Quando o Senhor, o seu Deus’, qual Deus? O Deus racializado? O Deus étnico? O Deus do panteão dos deuses da antiguidade, que é o Deus da guerra, que depois, foi romanizadamente, foi tornado o Deus dos exércitos, deputado Silas Câmara? ‘Quando o Senhor, o seu Deus, entregá-la nas suas mãos, matem à espada todos os homens que nela houver’. É este o vosso Deus, deputado Silas Câmara? ‘Contudo, poderão ficar com as mulheres, as crianças, os rebanhos e tudo que acharem na cidade’. Ordem deste Deus, deputado Silas Câmara. ‘Vocês poderão ficar com os despojos dos seus inimigos’, que o Senhor, que é o seu Deus, deputado Silas Câmara, ‘lhes deu’, deputado Silas Câmara. É assim que vocês tratarão todas as cidades distantes que não pertencem às nações vizinhas de vocês. ‘No entanto, nas cidades das nações que o Senhor, o seu Deus dará a vocês por herança, não deixem vivo nenhum ser que respira'”, leu Ualid Rabah.

Fepal faz mais indagações

Em seguida, o presidente da Fepal fez outras indagações.

“É este o seu Deus, deputado Silas Câmara? É este o Deus do Evangelho, deputado Silas Câmara? É este Deus desta frente que se autoproclama evangélica? Não. Este é o Deus da morte, do genocídio, do extermínio, por isso que o senhor e sua frente têm medo da investigação do genocídio na Palestina. Porque vocês apoiam o genocídio, porque vocês apoiam a matança, vocês apoiam o racismo, o extermínio e o Apartheid, o colonialismo e a ocupação da Palestina”, denunciou o dirigente.

Por final, ele completou a citação bíblica para questionar aqueles que são contra a denúncia feita pela África do Sul.

“E diz mais o seu Deus. ‘Conforme a ordem do Senhor, o seu Deus’, Silas Câmara, diz ‘separem para destruição os hititas, os amorreus, os cananeus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus’. Ou seja, aqueles que fundaram a primeira cidade do mundo, todos eles cananeus, de quem descendem em mais de 90% os palestinos de hoje. É isso o que o senhor defende? É isso que a sua nota pretensamente de repúdio, defende o extermínio do povo palestino?, finalizou.

‘Apoio aos crimes de Israel’

O deputado federal Silas Câmara (Republicanos), que está prestes a ser cassado por supostos gastos ilícitos no valor de R$ 396,5 mil, publicou na noite de quinta-feira (11/01) em sua rede social uma nota de repúdio contra o apoio do governo brasileiro à África do Sul, que acusou formalmente Israel de cometer genocídio contra o povo palestino e pediu à corte mais importante da ONU que ordene o fim das operações militares.

A nota, assinada pelas Frente Parlamentares Evangélicas do Congresso Nacional e do Senado Federal, diz que há distorção na iniciativa da África do Sul em citar como genocídio as ofensivas feitas por Israel contra o povo Palestino.

Os políticos evangélicos, como o próprio Silas Câmara, querem influenciar a política nacional também a partir das suas posições sobre política externa, pois a grande maioria desse segmento expressa opiniões fortemente alinhadas com Israel.

Bancada evangélica ignora sofrimentos palestino

Na nota, os parlamentares evangélicos não mencionam os ataques de Israel, que já deixaram mais 23 mil mortos, segundo dados da ONU, em quase 100 dias somente na Faixa de Gaza. Esse número pode subir para 30 mil mortos devido as mais de 7 mil pessoas que ainda estão sob os escombros das edificações destruídas pelos ataques israelenses.

A nota da “bancada evangélica”, também, não cita os comentários de cunho genocida e racista de vários líderes israelenses de diferentes segmentos – que pregam abertamente a matança de palestinos, incluindo crianças, descrevendo-os como “ratos” e “animais’, e a expulsão deles de suas terras nativas para outros lugares do mundo. O texto ignorou, também, o extermínio que o povo palestino sofre desde 1948, quanto o Estado de Israel foi estabelecido em terras palestinas.

Video: Divulgação Fepal