CMM já tem assinaturas suficientes para abrir CPI da Semcom

Casa Legislativa já conseguiu as 14 assinaturas necessárias para a abrir a CPI da Semcom, após o presidente Caio André assinar o requerimento, nesta segunda-feira (1º/04)
Presidente da CMM, Caio André, assina pedido de abertura da CPI da Semcom (Foto: Divulgação/CMM)

A Câmara Municipal de Manaus (CMM) deu um passo adiante para investigar a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom), após o presidente da Casa Legislativa, vereador Caio André (Podemos), assinar, nesta segunda-feira (1º/04), o requerimento que pede a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias de corrupção na pasta. Com a adesão de Caio André, a CMM chegou as 14 assinaturas necessárias para abrir uma CPI.

“Estou convencido de que esse caso precisa ser esclarecido, de uma vez por todas. Não é questão de ser contra ou a favor do prefeito ou do secretário, nós só queremos que isso seja esclarecido, se há ou não há ‘caixa 2’ na Prefeitura de Manaus, dentro da Secretaria de Comunicação”, afirmou Caio André.

Além de Caio, já assinaram o requerimento os vereadores William Alemão (Cidadania), Rodrigo Guedes (Podemos), Capitão Carpê (sem partido), Elissandro Bessa (Solidariedade), Jaildo Oliveira (PV), Raiff Matos (PL), Lissandro Breval (Avante), Diego Afonso (União Brasil), Thaysa Lippy (PP), Professora Jacqueline (UB), Marcelo Serafim (PSB), Everton Assis (UB) e Glória Carratte (PSB).

De acordo com os parlamentares, o objetivo da CPI é apurar denúncia sobre pagamento em dinheiro a um portal de notícias da capital amazonense, conforme vídeo divulgado pelo portal Metrópoles no último dia 14 de março. As imagens, conforme a publicação, teriam sido gravadas no interior da Semcom, que funciona no mesmo prédio da Prefeitura de Manaus, no bairro da Compensa, zona Oeste da cidade.

Outras investigações

Na época, a Prefeitura de Manaus e a Polícia Civil informaram que abriram investigações para apurar as denúncias envolvendo a Semcom e o titular da pasta, Israel Conte.

O vídeo teria irritado o Executivo Municipal, que tem recebido pressão para exonerar o secretário Israel Conte, após a veiculação de imagens que mostram o motorista de um portal de notícias recebendo dinheiro em espécie dentro da sede da Semcom.

Trâmite

De acordo com Caio André, com as assinaturas necessárias, o requerimento, agora, passará pela análise da Procuradoria da CMM. “Deve ser dado entrada, na próxima Sessão Plenária, ao requerimento, que deve seguir à Procuradoria para o exame de admissibilidade e, estando tudo ok, nós devemos instaurá-la. Sempre fui a favor de que haja essa investigação e o esclarecimento, acima de tudo, do que houve em relação àquele vídeo. A CPI tem ferramentas para isso, e é por isso que estou assinando”, acrescentou o presidente da Casa Legislativa.

Explicações não convenceram

O avanço para a abertura de uma CPI mostra que os vereadores da CMM não se convenceram das explicações dadas pelo atual secretário da Semcom, Israel Conte, quando ele esteve no plenário Adriano Jorge, no último dia 20 de março, para falar sobre o assunto. Na ocasião, Conte apresentou um laudo pericial feito pela empresa particular “Smart Perícias”. Segundo o documento apresentado pelo secretário, o vídeo da entrega do dinheiro na sede da Semcom é manipulado.

Para alguns vereadores, as respostas do secretário foram uma tentativa de “sair pela tangente”, e de “falta de compromisso com a verdade”.