Cautelosos, pré-candidatos evitam falar de alianças e devem escolher vices apenas nas convenções partidárias

Convenções partidárias ocorrerão entre 20 de julho e 5 de agosto, conforme calendário estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
Os pré-candidatos ainda traçam alianças e devem anunciar vices nas convenções (Fotos: Reprodução)

Os pré-candidatos a prefeito de Manaus têm evitado falar oficialmente sobre as alianças e a composição da chapa. Os possíveis vices só devem ser anunciados durante o período das convenções partidárias, que ocorrerá entre 20 de julho e 5 de agosto, conforme estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com o cientista político Helso Ribeiro, a eleição deste ano será bastante disputada, com a corrida eleitoral já acirrada nos bastidores da política. Os pré-candidatos estão em busca de soluções para impasses na escolha de vices e na montagem de alianças nos principais colégios eleitorais.

“Nós ainda temos dois meses e meio para o início das convenções, então, eu acredito que quase todos os partidos devam seguir a mesma estratégia, que é anunciar os vices, dois ou três últimos dias antes do fim do prazo. Até lá, ocorrerão muitas conversas. Acredito que nesse momento essa é a estratégia para os partidos tentarem conversar e fortalecer o que chamamos de ‘chapona’. Vale lembrar que não cabe mais coligação para o cargo de vereador nas eleições proporcionais, mas para prefeito é plenamente possível”, afirmou o cientista político.

Ainda conforme o especialista, a ação de adiar o anúncio dos nomes dos vices é importante para que os partidos não fechem portas de conversas com as demais siglas.

“O objetivo é conseguir o maior arco de apoio possível”.

Helso Ribeiro
Burburinho dos bastidores

Uma das maiores batalhas entre pré-candidatos pela desistência da pré-candidatura para compor apenas como vice na chapa do outro acontece entre Roberto Cidade (União Brasil) e Alberto Neto (PL).

Nos bastidores da política, a aposta maior é de que o deputado federal Alberto Neto, mesmo com o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro, acabará por largar a sua pré-candidatura a prefeito de Manaus e vai ser vice de Cidade. O governador Wilson Lima, que é líder do União Brasil no Estado, tem buscado essa articulação com lideranças do PL nacional, entre eles o presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, e com próprio Bolsonaro.

Alberto Neto desmente todos os boatos que envolvem sua possível desistência e diz que se mantém firme como o candidato da direita. Fontes do Panorama Real afirmam que o governador Wilson Lima não está disposto a abrir mão da pré-candidatura de Roberto Cidade, seu principal aliado.

Já o atual prefeito de Manaus, David Almeida, anunciou que irá confirmar quem será o seu vice na chapa para a reeleição apenas no dia 31 de julho. Ele foi outro político que andou tendo reuniões com representantes do PL para traçar uma possível aliança. No entanto, essa articulação foi enfraquecendo ao longo dos meses.

Amom tem várias opções

O deputado federal Amom Mandel (Cidadania), neste fim de semana, disse que o vice não será um problema na formação de sua chapa a prefeito de Manaus. Sem citar nomes, ele comentou que tem seis opções. Desses nomes, dois são de mulheres com forte experiência. A escolha só vai acontecer durante a convenção partidária quando será oficialmente confirmado como candidato a prefeito.

Esquerda

No campo da esquerda, os pré-candidatos Marcelo Ramos (PT) e Eron Bezerra (PCdoB) poderão ter um vice que sairá de uma união entre os partidos esquerdistas ou, até mesmo, ambos comporem a mesma chapa. O anúncio também deve ser feito no período das convenções.